Imagem

Cape winelands e cafuné nos cheetahs!

Depois de algumas degustações de vinho em Stellenbosch, fomos até a cidadezinha de Franschhoek para almoçar no La Petite Ferme, que foge um pouco dos roteiros mais turísticos das winelands próximas à Cape Town.

img_2205A vista estonteante dos vinhedos e montanhas, o clima bucólico e caseiro, o ar puro da fazenda, a natureza em abundância, tudo isso faz com que o lugar se torne incrivelmente encantador. Você também pode se hospedar nas belíssimas acomodações do La Petite Ferme. Imagine só acordar com uma vista maravilhosa como essa todas as manhãs!

img_2268Tente reservar uma mesa na varanda para poder apreciar a vista enquanto deleita-se com sua refeição. Pedi uma truta defumada com mini batatas e o Mau pediu uma perna de coelho com legumes. Ficamos impressionados com a qualidade dos pratos. Simples e, ao mesmo tempo, com sabores delicados e sofisticados. Sem dúvida, um dos melhores achados gastronômicos da região. Para acompanhar, pedimos uma garrafa de um delicioso viogner, produzido pela própria casa.

Na volta para Cape Town, se você tiver um tempo e quiser conhecer os guepardos, recomendo o passeio até o Cheetah Outreach, uma organização sem fins lucrativos, que tem como objetivo garantir a sobrevivência da espécie. Eles têm um programa que ajuda esses animais ameaçados de extinção, deixando-os viver em liberdade, mas acompanhando sua criação e fornecendo todos os cuidados necessários para uma vida longa e saudável.

img_2254Você pode visitar e até fazer um cafuné neles, seguindo todas as recomendações da equipe. Mas, por mais que tenha alguém dizendo que é seguro, você pensa: o cara é o animal mais veloz do mundo, vai de 0 a 100 em segundos. Se ele quiser que eu vire o jantar dele, não vai ter para ninguém. Então, mesmo com o coração a mil por hora e um baita medo, eu fui. Fiz um chamego no Ebony, este lindão da foto, e percebi que estar cara a cara, tocando num animal selvagem é a sensação mais louca desse mundo. Indescritível!

Para saber mais sobre o projeto entre no site:

http://www.cheetah.co.za

Quer saber mais sobre as degustações de vinho em Stellenbosch? Clique aqui.

 

Anúncios
Imagem

Um hotel para chamar de seu

O DysArt Hotel foi mais uma boa surpresa em Cape Town, a cidade que conquistou nossos corações em tão pouco tempo.

A fachada discreta e a tímida porta de entrada nos dão a impressão de que estamos entrando numa simples casinha de rua. Achei esse detalhe um charme. É como se estivéssemos chegando na casa da vovó para a macarronada de domingo, sabe?

O hotel é compacto, com poucos quartos, não tem um restaurante, mas oferece uma boa estrutura, piscina, deck, ambiente bem decorado, acolhedor e, além de tudo, tem uma excelente localização. Fica a 15 minutos do V&A Waterfront a pé.

IMG_3105

Nos hospedamos lá por 4 noites no primeiro trecho da viagem e, por mais uma noite, no trecho final. Ficamos em dois quartos diferentes, um no térreo e outro no primeiro andar, ambos amplos, bem iluminados, modernos e aconchegantes. Detalhe importante para quem vai no inverno ou sente muito frio, como eu: os quartos e banheiros têm piso aquecido e você pode regular a temperatura. Muito top! Ah, e eles têm uma gatinha, chamada Daisy, que fica perambulando pelas áreas comuns, doidinha para ganhar um chamego dos hóspedes. Eu que sou gateira, amei. Ponto para o hotel!

Mas o que faz mesmo toda a diferença é o atendimento. Justamente por ser um hotel pequeno, o tratamento é bem pessoal, próximo. A começar pela dona, a Lo Weber, que está sempre por lá, dando dicas e informações sobre a cidade com muita simpatia. O Martin, que nos ajuda com as malas, chama táxi, conta histórias divertidas. A Zinny e a Ferial, tão amáveis e interessadas pelo nosso país, que nos preparam um café da manhã delicioso, sanduíches fora de hora e muitos outros mimos.

Todos os funcionários, sem exceção, são extremamente gentis e simpáticos. Cuidam da gente como se estivessem cuidado de sua própria família, com carinho e dedicação. Parece que todo mundo faz um pouco de tudo, todos se ajudam e têm o mesmo propósito: fazer com que os hóspedes se sintam em casa, à vontade, abraçados e bem cuidados. Foi assim que me senti durante nossa estadia e agradeço muito por ter conhecido cada um deles.

Eles também são engajados em causas sociais e participam ativamente do projeto Food for Children, que ajuda crianças carentes do subúrbio da cidade. A Zinny, do DysArt Hotel, foi uma das co-criadoras do programa, e posso afirmar que é uma pessoa do bem e com um coração enorme. Com o equivalente a 100 euros, eles alimentam cerca de 350 crianças por semana, fazendo a diferença, como agentes de transformação, por um mundo melhor. Mais um ponto para o hotel :o)

Não foi à toa que, no último dia da viagem, quando o Martin avisou que o táxi havia chegado e todos eles foram lá fora para nos dar tchau, eu entrei no carro e comecei a chorar. Não queria me despedir, não queria ir embora e deixar tanta gente querida para trás. Com certeza, esse foi um canto do mundo que deixou muita saudade…

DysArt Boutique Hotel

17 Dysart Rd, Green Point, Cape Town, 8051, África do Sul

+27 21 439 2832

http://www.dysart.de/

Para mais informações sobre o DysArt Boutique Hotel Food Programme, acesse:

http://foodforchildren.org.za/

Quer saber mais sobre Cape Town? Clique aqui ou aqui.

 

 

 

 

 

Imagem

2 restaurantes imperdíveis na Cidade do Cabo

O Old Biscuit Mill é um complexo cultural e gastronômico que fica na área de uma antiga fábrica de biscoitos (hoje desativada) no bairro de Woodstock, a 15 minutos de carro de Green Point, Cidade do Cabo, África do Sul.

Lá você pode encontrar sofisticadas lojas de artesanato, design, artistas de rua, food trucks com gastronomia variada e renomados restaurantes. Para aproveitar tudo isso, recomendo que faça o passeio durante o dia. Nós fomos à noite e as lojas estavam fechadas. Se quiser jantar nos mais badalados, fique esperto e faça a reserva com bastante antecedência, pois alguns chegam a ter MESES de espera, como foi o caso dos famosos The Test Kitchen e o Potluck Club. Bem que tentamos!

FullSizeRender[1]Eu já tinha lido boas críticas do Burrata e, como ele era o único com disponibilidade de reserva, unimos o útil ao agradável. O restaurante é especializado em comida italiana, o ambiente é bonito, moderno e tem um preço muito bom. De entrada fomos de burrata, em homenagem ao local. Deliciosa, mas bem que podiam incluir uns pãezinhos extras na porção. Pedimos pizza, feita no forno à lenha, tamanho individual, mas muito bem servida. Eu fui de prosciutto e arugula, presunto cru e rúcula com mozzarella e parmesão (divina) e o Mau pediu uma tradicional margherita. Tomamos uma garrafa do pinotage local Bot River Beaumont e, infelizmente, não sobrou espaço para a sobremesa. Gastamos em torno de 40 dólares e achei bem em conta, considerando a fartura, a qualidade e o sabor dos pratos.

FullSizeRenderOutro restaurante incrível que adoramos, indicação de uma amiga, foi o Societi Bistro. Se estiver um clima agradável, você pode sentar nas mesinhas do jardim ao ar livre. Se estiver frio, sente no ambiente interno, que é muito charmoso e aconchegante, com uma decoração sofisticada e acolhedora, bem carinha de bistrô mesmo. O restaurante traz um outro conceito à gastronomia, uma vez que criam os animais de forma livre, utilizam produtos orgânicos e uma série de cuidados com os alimentos. O atendimento é nota mil, os garçons são jovens e super descolados, conhecem cada ingrediente e sabem como harmonizá-los com bons vinhos. Eu me lembro que estávamos loucos por uma carninha sangrando e pedimos fillet au poivre e sirloin com cogumelos portobello. Para acompanhar, uma garrafa de cabernet sauvignon Holden Manz, produzido em Franschhoek (uma cidade linda, que terá um post exclusivo aqui) e de sobremesa comemos uma torta de chocolate dos deuses! Minha nossa senhora, deu água na boca só de escrever. Na dúvida, aceite as sugestões dos atenciosos garçons e não vai errar. Nós gostamos tanto que voltamos lá na noite seguinte Mais do que recomendado, super aprovado!

IMG_6359

Não é uma graça?

 

Burrata

The Old Biscuit Mill

375 Albert Road, Woodstock, Cape Town, South Africa

http://burrata.co.za/

Societi Bistro

50 Orange Street, Gardens, Cape Town, South Africa

http://societi.co.za/

obs.: as fotos deste post foram retiradas do próprio site dos restaurantes, já que esqueci de levar a câmera nos jantares e a qualidade das fotos do celular à meia luz deixou muito a desejar. Sorry 😦

Bjs e até semana que vem!

Imagem

Cape Town vista de cima

Em dias como o de hoje, frio e chuvoso, costumo me transportar mentalmente para um lugar quente e ensolarado, do jeitinho que eu gosto. Hoje, meus pensamentos foram até a Cidade do Cabo, África do Sul, um lugar surpreendente, que deixou ótimas lembranças.

Quando planejamos nossa viagem, não havia voos diretos de São Paulo para Cape Town (CPT). A parada em Johannesburg (JNB) seria obrigatória. Voamos pela South African Airways e, no momento do check in em SP, nos disseram que teríamos que trocar de aeronave em JNB, passar pela alfândega, pegar as bagagens na esteira e fazer um novo check in para CPT. Nem preciso dizer que perdemos o voo, né?

Conseguimos resolver o perrengue e pegamos o próximo voo com destino à Cape Town. Chegamos no dia do aniversário do Mauricio, e meu maior desejo era que esse dia fosse muito especial.

O clima de Cape Town é um pouco instável. Em poucas horas, um dia ensolarado pode se transformar num céu carregado e coberto de nuvens. Por isso, a recomendação que mais recebi de amigos viajantes e compartilho aqui com vocês é: se você chegar à Cape Town num dia de céu aberto, corra para a Table Mountain.

Foi exatamente o que fizemos. Assim que nos instalamos no Dysart Boutique Hotel, (um encanto à parte), comemos um lanche rápido, pedimos um taxi e fomos direto para lá. Também é possível pegar uma carona no City Sightseeing Bus ou utilizar ônibus convencionais. O imprescindível é não deixar de ir.

IMG_9352Chegamos e compramos nossos ingressos para subir pelo cable car, um tipo de bondinho, que nos leva até o topo do complexo de montanhas em apenas cinco minutos. Confesso que estava com frio na barriga, pois não sou fã de altura, nem de lugares fechados. Porém, o cable car é aberto e giratório, o ar circula bastante e a paisagem é tão, mas tão linda, que nem vi o tempo passar.

Desembarcamos a mais de mil metros de altitude. Por mais alta que esteja a temperatura lá embaixo, a história muda de figura lá em cima. Leve um agasalho. Você pode fazer trilhas, caminhadas e, se tiver um verdadeiro espírito destemido e aventureiro (que não é o meu caso), também pode escalar os penhascos. Boa sorte!

A vista panorâmica realmente impressiona, lembra um pouco o Rio de Janeiro. É possível ver cada canto da cidade e a sensação é de estar bem pertinho do céu.

Demos sorte, pois o vento frio afastou para longe as poucas nuvens que havia do céu, dando espaço para um colorido que anunciava a chegada de mais um pôr do sol. E foi, desse jeito, que começamos a comemorar o aniversário do Mau, agradecendo por esse presente que a natureza nos deu.

A beleza e energia que vimos e sentimos por estarmos ali no alto, tendo a mais bela vista de Cape Town, jamais caberiam numa fotografia. Tentamos eternizar esse momento mesmo assim…

IMG_2122

À noite fomos jantar no Beluga, um restaurante descolado e cosmopolita, especializado em frutos do mar e gastronomia japonesa, localizado num galpão desativado na região de Green Point.

Pedimos lulas e camarões marinados de entrada e, de prato principal, o Mau pediu atum com crosta de gergelim e eu arrisquei um “kingklip”, peixe típico das águas frias do País, ambos deliciosos. Para acompanhar, seguimos a sugestão do garçom e tomamos duas garrafas de Chenin Blanc sul-africano, fresco e frutado, e não nos arrependemos.

Fomos muito bem atendidos do início ao fim por um garçom que realmente sabia o que estava fazendo, conhecia no detalhe os ingredientes dos pratos, sugeria vinhos para as harmonizações e, para fechar com chave de ouro, nos trouxe um sorvete personalizado e ainda cantou parabéns para o Mau.

No final das contas, o dia foi bem mais especial do que eu havia planejado. Com certeza, esse aniversário vai ficar guardado para sempre em nossos corações.

 

 

Imagem

Vinho com chocolate. Pode isso?

Não só pode como deve.

Talvez algumas pessoas que tenham enxaqueca (eu sou uma delas) possam discordar, por considerar essa combinação fatal para desencadear uma crise. Talvez, vocês possam mudar de ideia e se divertir um bocado com isso!

Minha sugestão é que você procure viver essa experiência sensorial pelo menos uma vez na vida. São aromas, sensações e sabores que se misturam e se completam.

Fomos pegos de surpresa quando a guia que contratamos em Cape Town, África do Sul, nos sugeriu uma degustação de vinhos e chocolates. Normalmente, fazemos harmonização com queijos, certo? Mas quem disse que essa outra combinação não é interessante?

Resolvemos experimentar e seguimos para Lanzerac Wine State, que fica a alguns minutos de carro da charmosa cidade de Stellenbosch, localizada a aproximadamente 50 km de Cape Town.

Visitamos outros lugares mais rústicos anteriormente (e igualmente intrigantes), mas o Lanzerac tem um apelo mais comercial que encanta, não somente pela estrutura, charme e elegância de suas instalações e staff, mas também pela qualidade de seus vinhos.

Dentre as opções, escolhemos a chamada “Premium Tasting”, que é a degustação de 5 vinhos da linha que leva o mesmo nome, com as seguintes uvas: Sauvignon Blanc, Chardonnay, Merlot, Pinotage e Cabernet Sauvignon. Primeiramente, degustamos somente os vinhos.

O primeiro deles, o Sauvignon Blanc, com aroma bem tropical e sabor de abacaxi, era um vinho bem equilibrado. O segundo, um Chardonnay, repousado em barril de carvalho, tinha aroma predominantemente cítrico, mas com notas de baunilha. O terceiro foi o Merlot, e sentimos um aroma de chocolate. O melhor de todos, na minha opinião foi o Pinotage, um vinho de personalidade, que nasceu da combinação de duas uvas na África do Sul. Com aroma de ameixa e frutas pretas, ele é mais encorpado e marcante. Por último, degustamos o Cabernet Sauvignon, com um final de boca mais longo e aroma de amêndoas.

É claro que durante a degustação, demos os nossos palpites, nem sempre certeiros, mas um sommelier nos explicou as características principais presentes em cada um dos vinhos provados.

Depois, nos deixou à vontade para repetirmos a degustação, só que dessa vez, com os chocolates. Os vinhos brancos foram acompanhados de chocolate branco, com sabor de frutas e lima limão. O Merlot foi combinado com um chocolate amargo. O Pinotage, com um bombom de chocolate amargo e cereja (sim, o paraíso existe) e, por sua vez, o chocolate ao leite fez companhia ao Cabernet Sauvignon.

Aqueles vinhos que ficamos na dúvida, quando degustados sozinhos, ficaram com sabores evidentes com os chocolates, pedindo aplausos. Foi incrível sentir como o sabor dos vinhos se alterava e se intensificava com a presença do chocolate. Uma verdadeira explosão de sabores!

E você, está esperando o que para experimentar?