Imagem

Viu Manent – a vinícola mais completa do Valle Colchagua

Para os amantes do vinho, o Chile é um verdadeiro parque de diversão. De ponta a ponta, o que não faltam são vinícolas interessantíssimas, cheias de história, presença e sabores.

Particularmente, as vinícolas mais familiares e artesanais costumam ser as que mais me encantam. Por serem menores e menos movimentadas, tenho a impressão de que a experiência é mais humana e intimista. As coisas acontecem de forma tranquila e sem pressa, como devem ser.

Mas, não posso deixar de reconhecer que, de todos os vinhedos que visitamos no Chile, a estrutura da Viu Manent foi a que mais nos impressionou, justamente por ser a maior e mais completa.

IMG_7564É uma vinícola grande e, apesar de ser bem menos comercial do que a Concha Y Toro, por exemplo, ainda é voltada para o turismo, mas de uma maneira bem positiva. Ela é perfeita, seja para casais, viajantes solo ou famílias, pois sua estrutura permite as mais variadas experiências dentro de um mesmo local.

Além dos tradicionais tours com degustações, lá você encontra loja de artesanatos locais, uma acolhedora cafeteria (La Llaveria), doces chilenos deliciosos, espaço para a criançada brincar, aulas de equitação, passeios a cavalo, de balão e muito mais. Tudo isso apreciando uma vista espetacular dos vinhedos do Valle Colchagua.

IMG_7572

IMG_7553Durante um almoço no Rayuela Wine & Grill, você desfruta de um ambiente aconchegante e uma gastronomia a altura de toda a beleza dessa vinícola, regada a vinhos de ótima qualidade. O restaurante, que fica dentro da Viu Manent, é especializado em carnes grelhadas, mas todos os pratos que provamos estavam saborosíssimos (E sim, comemos um zoião no Chile…rs). É simplesmente imperdível. Nós fomos até lá por causa dele e só, então, tivemos a boa surpresa de descobrir a Viu Manent!

Vinícola bacana no Chile é o que não falta. Você só precisa descobrir o estilo que mais te agrada e embarcar nas degustações e passeios com o coração, corpo e alma e, claro, sem a menor pressa….

Viu Manent

http://www.viumanent.cl/en/

Carretera del Vino – Km 37

Valle de Colchagua – Chile

*para reservas: (56) 2 8403181 ou (56) 72 858751

❤ Quer saber mais sobre o Chile, divirta-se com os posts dos links abaixo:

Mercado gourmet-restaurante em Santiago

2 Vinícolas imperdíveis no Valle Colchagua

Valle Nevado. Vale?

Por que se hospedar em Las Condes?

Terraviña, um hotel especial no Valle Colchagua

A vinícola mais linda que já vi

Embalse el Yeso, deslumbrante.

 

 

 

Anúncios
Imagem

Alta gastronomia em Provence

Tem coisa melhor do que encontrar, quando menos se espera, um lugar incrível para almoçar durante uma viagem? Não. Principalmente, para quem, assim como eu, costuma ficar mal humorada quando tem fome!

Estávamos há horas na estrada, indo de Borgonha para Provence, na França. Nosso destino final era a cidade de Joucas, que fica em Luberon, um lugar imperdível para quem visita a região.

Eis que, de repente, no meio da estrada, passamos por um lugar que me chamou a atenção. Era o restaurante Lou Caleù, que fica em Saint-Martin-de-Castillon. Tinha um charme bucólico, bem peculiar e provençal. Simples e rústico, mas completamente encantador.

IMG_7646Entramos, escolhemos uma mesa na área externa, ao lado de belas lavandas e pedimos o cardápio. Só que não tinha. Todos os pratos do menu estavam escritos em pequenas lousas, que a dona deixava na porta do restaurante.  Tudo escrito em francês. Que “marravilha”!

Fizemos nosso pedido sem saber exatamente o que iríamos comer. Definitivamente, isso não foi um problema. Os pratos eram de alta gastronomia e realmente nos surpreenderam. Deu pra notar que o chef buscava valorizar ingredientes locais e preparou combinações com extremo sabor e excelência.

IMG_7642De entrada uma saladinha de folhas com romã e uma massa filo recheada com queijo de cabra. O prato principal foi um magret de pato com molho de laranja e especiarias, que comi pela primeira vez e fiquei apaixonada pelo sabor! E de sobremesa….bom, dizem por aí que uma imagem vale mais que mil palavras….

IMG_7653

O Lou Caleù, além de um ótimo restaurante, é também um hotel. Não chegamos a conhecer a estrutura, mas, tomando por base o que experimentamos, em todos os níveis sensoriais da palavra, imagino que seja igualmente interessante.

Que coisa boa foi encontrar, mais esse encanto em Provence, que, aliás, está repleta deles por todos os cantos. Com certeza, foi uma surpresa deliciosa (em todos os sentidos)!

Lou Caleù ❤

http://www.loucaleu.com/

84750 Saint-Martin-de-Castillon

Imagem

Bonito, o destino mais lindo de MS!

BURACO DAS ARARASNome: Alexandre Silva Jardim

Profissão: Editor de Vídeos

 Quem é você? Ale Jardim, tenho 33 anos, solteiro, amante de esportes radicais e da natureza. Meu hobby é a fotografia!

*Pensem num cara do bem, boa praça, inteligente e super divertido. Esse é o Ale, o genro que toda mãe pediu a Deus!

Qual o lugar mais incrível que você já visitou?

 ABISMO_02Nunca fui de viajar muito (infelizmente), mas um lugar que gostei bastante de conhecer foi a Cordilheira dos Andes, no Chile. O pôr do sol nas montanhas com neve foi com certeza a coisa mais bela que eu já vi. Em Bonito, o abismo Anhumas, foi impressionante por alguns motivos, a maneira de entrar e sair da gruta, o medo enorme que você passa no rapel e a surpresa que você encontra na hora que o sol entra pela fresta da gruta.

O que despertou seu interesse para fazer essa viagem?

 Bonito, no Mato Grosso do Sul, sempre foi um destino que eu tinha vontade de conhecer só de ver fotos e reportagens. E, no ano de 2016, consegui tirar um mês de férias em dezembro. Sem pensar duas vezes já programei a viagem!

Conte um pouco do seu dia a dia. O que mais gostou/te impressionou?  O dia a dia foi bem tranquilo, mas sempre acordando muito cedo. Marquei os passeios todos começando pela manhã. Tentei fazer dois por dia em média.

PASSEIO_ESTANCIA_MIMOSAGostei muito da cidade, típica cidade de interior, pequena e acolhedora, onde você anda de noite sem se preocupar, pessoas muito legais, comida muito boa, ótimas opções, passando por churras, japonês, pastel de jacaré, e peixes assados dos mais variados!

Tem alguma recomendação ou dica para os nossos leitores? Um restaurante, uma vista, uma experiência imperdível?

 O restaurante Juanita é uma excelente pedida para almoço. Sem pensar duas vezes, peçam o Pacu na brasa, muito bom mesmo.
Em relação a passeios, uma flutuação não pode ficar de fora. A proximidade com os peixes e a natureza é demais. Opções de flutuação é o que não falta.

FLUTUACAO_RIO_DA_PRATA.jpg

Flutuação – Rio da Prata

Para quem gosta de cachoeira, tem a Boca da Onça, que eu não conheci, pois tive a difícil missão de escolher entre essa cachoeira e o abismo (optei pelo Abismo). Para dias com tempo sobrando, ir aos balneários também é ótimo. Rápido, barato e pertíssimo da cidade, coisa de 5 minutos de moto taxi. Uma boa também é fazer os passeios de bote e rafiting.

 

Se pudesse descrever em poucas palavras a sensação de estar ali, o que diria? Bonito é lindo! ❤

 

JOGO RÁPIDO por Ale Jardim: 

Comida mais deliciosa: Pacu na brasa

Uma bebida para acompanhar: Cerveja

A paisagem mais encantadora: Abismo Anhumas\Buraco das araras

Para quantos países você já foi? EUA e Chile

Próximo destino: muitos em mente, mas nenhum definido

Quer saber mais sobre Bonito?  Acesse: http://www.bcvb.com.br

 

 

Imagem

Um ano de Em Cada Canto um Encanto!

A foto do post de hoje é uma das minhas favoritas. Não foi à toa que a escolhi para representar o Em Cada Canto um Encanto. Ela foi tirada em Provence, na França, há quase 3 anos. Toda vez que olho para ela, me transporto para lá, sinto o perfume dos campos de lavanda, a despreocupação com compromissos e uma adorável sensação de paz e liberdade. Todo esse encanto perdido num dos cantinhos de seus vilarejos.

Mas, hoje, não vou falar de viagens. Dia 08 de março é um dia muito especial para mim. Há exatamente um ano, resolvi criar o blog Em Cada Canto um Encanto, para compartilhar experiências sobre minhas grandes paixões: viagem, cinema, vinho e gastronomia.

Aqui, falo de tudo um pouco, mas sempre do que realmente gosto.

Escrevo para relembrar, para reviver todos os momentos incríveis que, às vezes, acabam ficando esquecidos lá no fundo da nossa memória. Escrevo para eternizar histórias. Escrevo por prazer, para me sentir plena. Escrevo para compartilhar com vocês tudo de bom que conheci nesse mundo afora.

E hoje, no Dia Internacional da Mulher, escrevo para agradecer especialmente a quatro mulheres que contribuíram, às vezes sem se dar conta, para que o Em Cada Canto um Encanto se tornasse realidade:

A minha mãe, Maria Helena, que me sempre me deu palavras de carinho, amor, força e incentivo, me fazendo acreditar que posso, sim, conquistar o mundo;

A Regina, minha acupunturista, com sua energia leve e palavras de sabedoria, em um dos poucos lugares onde fico totalmente em paz e com a mente aberta para a chegada de um turbilhão de boas ideias e ações;

A minha amiga irmã, Zanin, que nunca me deixou esquecer meus pontos fortes, minhas qualidades e há anos insistia na ideia de que eu deveria começar a escrever um blog;

A minha pequena grande amiga nerd, Cris Saemy, que, entre uma dose de paciência e muitas gargalhadas, me ajudou a entender o básico do WordPress e colocar meu blog no ar.

E agradeço imensamente ao meu marido, Mauricio, que sempre esteve ao meu lado, com sua visão realista das coisas, me trazendo de volta ao chão, me apoiando, me divertindo e, claro, sendo o melhor companheiro de viagens que eu poderia ter.

Obrigada a todos que fazem parte dessa história e acompanham nossas aventuras aqui pelo blog e também pelo Instagram, onde já temos 16 mil seguidores.

Sem vocês não teria tanto sentido ❤

Leia o 1o post publicado aqui no blog: Sob o Sol da Toscana

 

 

 

 

Imagem

Meu japa preferido em Sampa!

Demorei alguns anos para começar a gostar de comida japonesa. Que heresia, não? Mas, vamos ser sinceros: não é uma comida que você experimenta e logo se apaixona. Pelo menos, não foi assim que aconteceu comigo. A consistência do peixe cru me dava uma sensação de que ele estava vivo e se mexendo dentro da minha boca. Foi um longo caminho até eu me tornar fã, mas hoje, não conseguiria viver sem.

E, para homenagear o aniversário de 463 anos da nossa cidade, hoje vou falar sobre o JAM (Japanese Food, Arts & Music), que é o meu japa preferido em São Paulo. Super indico a todos que passarem por aqui.

Não tem rodízio e não é barato, mas dá para se deliciar de vez em quando, pois vale muito à pena. Para vocês terem uma ideia, um casal que pede uma entrada, um combinado e uma garrafa de sakê das boas gasta em média R$ 250. E aí, dá pra encarar?!

Como o próprio nome diz, além da comida japonesa, o restaurante é todo decorado com obras de arte, que vão mudando de tempos em tempos. O ambiente de meia luz é descontraído, aconchegante e ainda tem música ao vivo, de ótima qualidade. Na unidade Itaim, que vamos sempre, o atendimento é nota dez. Enfim, é o cenário perfeito para qualquer ocasião.

As entradas e os combinados são realmente incríveis. A combinação de produtos inusitados, traz uma verdadeira explosão de sabores e é um presente ao nosso paladar. A forma como são montados no prato, dá um quê de modernidade e realmente encanta.

Aqui vai minha lista de favoritos:

Maguro JAM: sashimi de atum selado com crosta de gergelim, fatias de caju e tomatinho cereja com azeite (e não é que fica bom demais?!)

Shake Passion: sashimi de salmão selado em forma de flor e molho de maracujá (dá até dó de comer)

Ussuzukuri Spicy: salmão ou atum com molho spicy, pimenta dedo de moça e crispy de alho poró

*Wasi Maguro (o melhor dos melhores, na minha opinião): sashimi de atum com gergelim, massago, cebola roxa e molho de manjericão com azeite de trufa. Gente, o que dizer desse azeite de trufa? Seu sabor e aroma inigualáveis! Já sei: que tal um pão italiano para “tchutchar” nesse molhinho que fica no prato? (meu Deus!)

Normalmente, depois das entradas, pedimos o combinado Fusion Inspiration (esse da foto principal), que traz o clássico dos peixes com um mix de produtos locais. Todos são maravilhosos. No final, só sobra mesmo o nabo para contar a história. Tudo isso acompanhado de uma boa garrafa do sakê japonês Hakutsuru. Não tem como não amar!

Se tiver um espacinho para a sobremesa, experimente o sorvete de gengibre com calda de chá verde, biscoito e caramelo!

**Agora um desafio:

Quem conhecer um restaurante japa muito, muito bom (tipo o JAM), por favor, compartilhe com a gente aqui nos comentários! Vamos adorar conhecer e conferir.

Bjs e até a próxima semana 🙂

 

JAM

Itaim: Rua Lopes Neto, 308 ❤

Jardins: Rua Bela Cintra, 1929

Reservas: (11) 3473-3273

contato@jam.com.br

http://www.jam.com.br/

Imagem

2 Vinícolas imperdíveis no Valle Colchagua

O Valle Colchagua é um verdadeiro deleite para os apreciadores de vinhos chilenos. As condições climáticas e geográficas da região favorecem a produção de vinhos de excelente qualidade. Lá, existem vinícolas de todos os portes e para todos os gostos, mas o bom mesmo é degustar os vinhos e admirar a belíssima paisagem.

Ficamos quatro dias no Valle Colchagua e visitamos algumas vinícolas da região. Hoje vou falar de duas que considero imperdíveis: La Postolle e Montes.

img_1281A La Postolle produz vinhos orgânicos e biodinâmicos, isso quer dizer que todos os fatores envolvidos na produção (solo, plantas, humanos e animais) atuam num sistema holístico, harmonioso e autossustentável, preocupado não somente com a qualidade, mas também com a preservação da natureza e uso consciente de seus recursos. É um trabalho bem manual mesmo.

Além do tour pela propriedade, você pode fazer a degustação de quatro tipos de vinho, incluindo seu ícone, o Clos Apalta, super premiado mundo afora. Caso queira ampliar sua experiência, você também pode se hospedar dentro da La Postolle por uma quantia, na minha opinião, um pouco alta. Vi pelo site que as instalações são muito bacanas, mas, sinceramente, não sei se vale à pena.

Em termos de estrutura e beleza, achei a Montes bem mais rica e completa. A propriedade onde ficam os vinhedos é lindíssima e todo o interior foi projetado com base no Feng Shui, utilizando a força da água e do vento para que as energias positivas possam influenciar o ambiente. Acho que deu certo, viu?!

img_7421

A degustação é muito legal, pois temos uma verdadeira aula sobre o processo de produção utilizado, o dry farmed, em que eles irrigam o mínimo possível os vinhedos (economizando 65% de água) para que eles busquem os nutrientes por meio de suas raízes mais profundas, tornando-se mais fortes e, consequentemente, produzindo vinhos mais complexos. Eu achei incrível!

Particularmente, prefiro os vinhos da Montes aos da La Postolle. Eles agradam mais o meu paladar. E acho que isso é o que mais importa: saborear um vinho pelo prazer que ele te dá e não por ele ser um ícone mundialmente reconhecido e premiado. Certo?

Ao final do tour, aproveite para comprar os vinhos que, em média, custam 1/3 do preço que pagamos aqui no Brasil. Vale M-U-I-T-O à pena. Depois, sente-se à beira dos espelhos d’água e almoce no Bistrô Alfredo, com uma vista incrível dos vinhedos. Se for fã de frutos do mar, recomendo o polvo à vinagrete. É de cair o queixo.

Dica: como todas as vinícolas da região, é bom reservar tour, degustação e almoço com antecedência.

La Postolle

www.lapostolle.com

closapaltatours@lapostolle.com

Montes ❤

www.monteswines.com

lafinca@monteswines.com

Por hoje é só. Espero que tenham gostado das dicas!

bjs e até a próxima ;o)

obs.: quer saber mais sobre as vinícolas chilenas? Clique aqui e aqui.

 

Imagem

Reims, a terra do champagne!

img_6951

Ir para Paris e não passar pela região de Champagne é um pecado, pelo menos para os amantes da bebida, como eu. É lá que são produzidos os autênticos e verdadeiros champagnes, os únicos que realmente podem ser chamados como tal.

Demos uma apertada no roteiro para incluir um bate e volta até a cidade de Reims, que fica a aproximadamente 150 km da capital francesa e abriga as mais famosas caves da região: Pommery, Veuve Clicquot, Ruinart, Demoiselle, Taittinger e muitas outras.

img_6948

img_6878Já que sou fã da marca, escolhi visitar a Veuve Clicquot. No estacionamento, só carrão de luxo e o nosso carrinho alugado. Por alguns instantes, me senti na Ilha de Caras. O lugar já era bonito do lado de fora, imaginem por dentro. Um truck estiloso e meio vintage estacionado no belo jardim servia como vitrine para promover alguns dos produtos, que estão à venda no interior da Maison. Impossível sair com as mãos vazias! rs..

img_6930O tour guiado conta a história da Madame Clicquot, a viúva que decidiu tomar as rédeas da empresa após a morte do marido e conseguiu expandir seu negócio com excelência. Depois, passa por uma aula sobre o processo de produção e armazenamento dessa maravilha dos deuses, direto das caves, e termina com uma deliciosa degustação. Esse tour que escolhemos, durou cerca de 1 hora e custou algo em torno de 35 euros por pessoa. Dicas: a temperatura lá embaixo é muito fria, levem agasalho. Ah, fiquem atentos aos feriados locais e agendem seu tour previamente pelos sites!

Se tiver tempo, dê uma esticada até a cidade de Épernay para visitar a Möet & Chandon e a Mercier. Infelizmente não conseguimos ir, mas elas também devem ser incríveis!

img_6961Demos um passeio rápido pela cidade, que é simplesmente encantadora. Reims me pareceu um lugar muito tranquilo. Suas ruas pacatas são arborizadas, extremamente limpas e cheias de verde. A arquitetura dos pequenos prédios dá à cidade um charme extra. A Catedral de estilo gótico, mesmo em reforma, era imponente e contrastava com o lindo céu azul daquele dia. Gostaria de voltar e ficar hospedada pelo menos uns dois dias por lá 🙂

Maison Veuve Clicquot

https://www.veuveclicquot.com/pt-br

visitscenter@veuve-clicquot.fr

1, place des droits de l’Homme

51100 Reims

Quer saber mais sobre a França? Clique aqui ou aqui.