Imagem

Machu Picchu – nem tudo está perdido

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, mas quantas palavras valem uma imagem, uma fotografia que se perdeu no tempo?

Em janeiro de 1999, meu pai me chamou para fazer uma viagem para um destino totalmente inusitado. Iríamos conhecer a Cidade Perdida dos Incas, Machu Picchu, no Peru. Eu tinha apenas 18 anos, pouco sabia da vida, tinha acabado de me formar no colegial, e essa seria minha segunda viagem internacional. Embarquei na aventura com o espírito de Indiana Jones e me surpreendi muito.

Naquela época, décadas antes da era da informação, da tecnologia, do digital, do imediatismo e dos compartilhamentos e check-ins em tempo real, ter um celular era artigo de luxo e para poucos. Provavelmente meu pai tinha um, mas com certeza não tirava fotografias. Então, todos os registros da nossa viagem foram feitos com uma câmera fotográfica com filme, aquela que mandávamos revelar e ficávamos com os negativos, aquela que hoje tornou-se vintage ou oldschool.

Quase vinte anos depois, as lembranças que tenho dessa viagem estão praticamente no coração e na memória. Muitas fotografias se perderam pelo caminho, mas vou tentar registrar aqui, um pouco do que senti e do que vi quando estive na terra sagrada dos incas.

FullSizeRenderFicamos uma noite em Lima e depois fomos direto para Cusco. Me lembro de uma igreja, de uma cidade bem rústica e pitoresca, cheia de paralelepípedos. Me lembro das pessoas com a pele morena e muitas marcas de expressão. Me lembro das cores vibrantes das roupas feitas com a lã das alpacas, me lembro de sorrisos gentis e, ao mesmo tempo pidões. Me lembro de ver esperança no rosto daquele povo.

Não me lembro dos restaurantes, dos pratos, das experiências gastronômicas. Talvez porque, naquela época, eu não tinha nenhum interesse por esse assunto, simplesmente me alimentava por uma necessidade fisiológica, nada mais que isso. As minhas paixões eram outras.

Lembro que não podíamos beber água da torneira, nem escovar os dentes com ela, por conta de doenças e porque ela saía marrom. Me lembro do sabor de um refrigerante local, a Inca Cola. Era um líquido amarelo, com gosto de tutti fruti, devia ser corante puro, mas gostei tanto que, na volta para casa, esvaziei o frigobar do hotel e coloquei todas dentro da mala.

Foi lá que andei de trem pela primeira vez. Meu pai nem cogitou a hipótese de fazermos a caminhada inca, mas lembro da sua cara de alívio quando viu balões de oxigênio disponíveis nos vagões. Lembro que mascamos muitas folhas de coca, para acalmar a tontura e o mal-estar, por conta da altitude. Quando saímos do trem, pegamos um ônibus bem pequeno, que contornava as ruas sinuosas até chegarmos aos quase 2.800 metros de altitude. Em cada curva, um mesmo menininho aparecia acenando e fazendo graça para a gente, ele subia correndo e nos encontrava novamente em cada esquina.

FullSizeRender(2)Quando você chega lá em cima e vê todas aquelas montanhas, as ruínas, o templo do sol, a simetria, o encaixe perfeito das pedras, os caminhos que beiram o precipício, toda uma cidade sagrada construída tão perfeitamente numa época de recursos tão remotos, você percebe como é um ser pequeno. Como a energia daquele lugar é capaz de mexer com a gente e, de alguma forma, nos transformar um pouquinho em seres humanos melhores, menos egoístas, mais humildes, mais evoluídos. Lá, nos damos conta da imensidão da natureza e do poder divino, que são muito, mas muito maiores do que podemos imaginar.

Foi uma viagem incrível e revigorante, em ótima companhia. Pai, não sei se te agradeci apropriadamente por me proporcionar essa experiência. Muito obrigada, mesmo.

Muitos anos se passaram desde então e, com certeza, nem eu, nem Machu Picchu somos as mesmas. Espero um dia poder te reencontrar.

Anúncios

Um comentário sobre “Machu Picchu – nem tudo está perdido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s