Imagem

Meio dia em Paris

Confesso que nunca fui muito fã de Woody Allen, mas tive que dar o braço a torcer quando assisti Meia Noite em Paris pela primeira vez.

O filme conta a história do escritor americano Gil (Owen Wilson) que está de férias em Paris e, na noite que resolve caminhar até o hotel para tomar um ar fresco, se dá conta de que está perdido. Sentado aos pés da escadaria de uma igrejinha, após ouvir as doze badaladas da meia noite, ele pega carona num carro antigo que, misteriosamente, o leva de volta aos anos 20.

Num bar, ele encontra grandes artistas, músicos e pintores, pelos quais tem enorme admiração, como Scott Fitzgerald, Cole Porter, Ernest Hemingway, Picasso e Dalí. No início, fica bastante atordoado e desorientado ao ouvi-los contar suas histórias, até compreender que havia feito uma viagem no tempo.

A partir de então, ele cria uma rotina e todas as noites passa a viver incríveis momentos ao lado de seus ídolos. O passado sempre teve um charme especial para Gil. Ele pensava que seria mais feliz vivendo em outra época e, na verdade, realmente viveu, ainda que por alguns dias. Esses encontros enriquecedores, serviram de grande inspiração para que ele conseguisse finalizar o romance no qual estava trabalhando e tomar a decisão de largar tudo e morar em Paris. A chance de um recomeço.

Do jardim de Giverny, à tão clichê e necessária Torre Eiffel, a beleza da cidade dispensa qualquer cenário, pois cada canto parece uma verdadeira pintura.

O filme é doce, delicado, instigante. A trilha sonora é tão envolvente, que só de ouvir uma das minhas canções preferidas, chamada “Si tu vois ma mère”, já começo a me imaginar caminhando pelas ruas da capital francesa.

Sério, faça o teste. Digite o nome da música no You Tube e ouça com o coração. Foi o que fiz durante todo o tempo que me dediquei a escrever esse post. Ouvi toda a trilha sonora que, inevitavelmente, me emocionou.

IMG_6864E foi assim, que esse filme conseguiu despertar meu interesse e desejo de conhecer a bela Paris. No dia que chegamos, fomos direto para a famosa esquina onde o escritor todas as noites pegava sua carona. Para quem quiser passar por lá, esse cantinho fica na Rue Sainte-Geneviève, bem atrás do Pantheon.

Foi tão legal estar ali e imaginar como seria viajar no tempo, escolher uma época que te agrada e embarcar sem medo de ser feliz…

 

Nesse dia, caminhamos pelas ruas da cidade despretensiosamente. Compramos alguns doces na Angelina (Rue de Rivoli), sentamos numa praça dentro do belíssimo Jardin de Tuileries e aproveitamos a  simplicidade do momento, sem pressa e com muito amor.

Afinal, a encantadora Paris inspira toda e qualquer paixão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios