Imagem

Um delicioso restaurante armênio escondido em SP

Sob o comando do apaixonado e simpático chef libanês Stephan Kawijian, o restaurante armênio Sainte Marie, em São Paulo, foi uma das melhores descobertas gastronômicas dos últimos tempos.

Não se deixe enganar pela faixada simples e pouco chamativa. O Sainte Marie Gastronomie fica escondido numa rua residencial da Vila Sônia, não tem placa, não faz propagandas, mas definitivamente nos mostra porque a longa fila de espera e qualquer distância valem a pena. Uma gastronomia que tem tradição e muita personalidade nos transporta para as arábias, através de muito sabor e amor.

Como os pratos são muito bem servidos, aconselho uma visita em turma, assim é possível provar mais sabores e variar bem o cardápio ;o)

WhatsApp Image 2018-12-03 at 14.25.19Começamos com o básico mezze de homus, coalhada seca e babaganouch. Impossível errar. Além das esfihas tradicionais, assadas em forno a lenha e com massa bem levinha, você também encontra recheios inusitados como polvo, lula, cordeiro, bacalhau e alcachofra. Provamos e aprovamos a de carne (super molhadinha e bem temperada) e a de verdura, que vem com couve, espinafre e escarola. Divinas!

WhatsApp Image 2018-12-03 at 14.25.18

Não deixem de experimentar o famoso kibe montado: camadas alternadas de kibe cru, kibe assado, tabule sem trigo e coalhada recebem em seu topo uma generosa porção de cebola caramelizada e crocante. O prato, que serve muito bem quatro pessoas, é uma verdadeira obra-prima, para se comer tanto com a boca, como com os olhos.

Pedimos também meia porção de charutinho de folha de uva e um cuscuz de frutos do mar, ambos maravilhosos. Quase não havia espaço para a sobremesa, mas foi impossível recusar a mousse de chocolate oferecida pelo chef Stephan!

Ah, já ia me esquecendo de dizer que o cardápio conta, por meio de um dialeto próprio, um pouco da história do restaurante e dos ingredientes que, com muito amor, foram incorporados nas receitas que tanto nos impressionaram. Não hesite em chamar o chef para explicar cada uma de suas invenções. Uma das palavras muito usadas por ele é “mercizão” (um misto de português e francês), que significa gratidão ou obrigado.

Depois de sair de lá plenamente satisfeita e muito feliz, tudo que tenho a dizer é: Mercizão do fundo do coração pela experiência gastronômica ímpar. Com certeza voltaremos muitas e muitas vezes!

Sainte Marie Gastronomie ❤

Rua Dom João Batista Costa, 70

https://www.facebook.com/Mercizao

 

*Para mais dicas de restaurantes em São Paulo, clique nos links abaixo:

Insalata, uma relação afetivo-gastronômica

Meu japa preferido em Sampa!

Mestiço – o restaurante da diversidade

Saj – Delícia das Arábias

Anúncios
Imagem

A culinária digna dos Deuses

Não foi difícil escolher o destino da nossa lua de mel.

A Grécia sempre foi uma certeza para nós. Difícil foi não se apaixonar pelas experiências gastronômicas que tivemos por lá. Algumas delas vou contar para vocês hoje.

Na primeira noite em Atenas, por indicação de um amigo, fomos jantar no Dionysos. Fique atento à localização, pois estabelecimentos com este nome são bem comuns em diversas cidades gregas. Estou falando do Dionysos Zonar´s.

O restaurante, além de servir pratos extremamente bem preparados, tipicamente mediterrâneos, tem atendimento impecável e uma vista privilegiada da Acrópole, que fica ainda mais bela e suntuosa, iluminada à noite.

De entrada, nossa escolha foi queijo de cabra e ervas aromáticas, com seu sabor forte e marcante. Os pratos principais foram moussaka (lasanha de berinjela) e risoto de cogumelos, ambos divinos.  Para acompanhar, pedimos um vinho tinto produzido com a uva grega Agiorgitiko. Vale à pena!

Na manhã seguinte, conhecemos um casal de brasileiros, hospedados no mesmo hotel e também em lua de mel. Foi empatia instantânea e já combinamos de fazer todos os passeios juntos. A sintonia foi tanta que tentamos até conciliar o próximo destinos da viagem, já que iríamos para Santorini primeiro, e eles para Mykonos, mas acabamos não conseguindo.

Visitamos as principais atrações da capital do berço da civilização, democracia e filosofia, depois paramos em uma pracinha para almoçar.

Tudo no cardápio parecia delicioso e a nossa pedida foi a famosa salada grega com  queijo feta (bem clichê mesmo) e um saganaki – queijo frito, com páprica, limão siciliano e tomates frescos. Só de olhar para essa foto consigo me lembrar do sabor de cada tempero e fico com água na boca.

Meu sacrilégio foi demorar tempo demais para descobrir o tzatziki, um molho à base de iogurte, pepino, alho e dill. Para ser sincera, eu nunca fui muito fã de iogurte, por isso demorei a experimentar, mas depois que provei, ele se tornou meu companheiro inseparável, pois combina com tudo e é muito refrescante.

A culinária grega vai além da necessidade fisiológica de se alimentar. O que a torna especial é saboreá-la em meio à beleza, à história, à tradição. Alimentos extremamente frescos, suculentos e saborosos, que têm o poder de nos deixar com gostinho de quero mais.