Imagem

Insalata, uma relação afetivo-gastronômica

Que eu amo viajar todos já sabem. Talvez ainda não saibam que eu também amo gastronomia. Não no sentido da execução, mas no da degustação. Gosto de comer bem e sinto um prazer indescritível com isso.

Aprecio um prato bem apresentado, com um layout interessante, que comunique algo, que chame a minha atenção. Adoro sentir o aroma dos temperos, que sobe devagarinho quando o prato está bem quente. Gosto de comer sem pressa, para sentir o sabor de cada ingrediente. Costumo criar uma relação quase que afetiva com o que estou comendo.

Pensando nesse contexto, hoje resolvi falar do Insalata, restaurante que frequento há quase 20 anos e com o qual estabeleci minha relação afetivo-gastronômica mais duradoura.

img_7930O restaurante era uma casinha despretensiosa que servia pratos deliciosos. Ao longo dos anos, o Insalata foi crescendo, se expandindo. A casinha virou uma casona, mas ele nunca perdeu sua essência, seu sabor e sua qualidade. Só foi ganhando mais charme e simpatia. Isso é para poucos!

Especialistas em criar saladas fantásticas e coloridas, eles também têm grelhados, massas, risotos, sanduiches, quiches e sobremesas de comer rezando. Pratos bonitos de se ver e mais ainda de comer. Toda semana tem opções novas no cardápio, uma mais saborosa que a outra. O ambiente é super gostoso, moderno e descontraído e o atendimento é nota 10. Um convite para que você queira voltar sempre.

Acho que já provei de tudo lá, mas vou compartilhar os meus top 5: bruschetta de brie, presunto cru e mel; salada caprina; risoto de alho poró; salada mantova e risoto de funghi. Podem pedir sem titubear.

Uma vez, comi um atum selado com crosta de gergelim e risoto de maracujá D-I-V-I-N-O. Foi um dos melhores pratos que já provei. Pena que não dei sorte de encontra-lo novamente no cardápio da semana. Aliás, se alguém do Insalata vir este post, gostaria de deixar como sugestão colocar esse prato no cardápio fixo. Sem dúvida, ele merece o destaque.

Toda vez que vou lá penso: não posso esquecer de fotografar os pratos para postar no blog. Acho que sempre vou com tanta sede ao pote, que só lembro da fotografia quando já comi tudinho. Dessa última vez, ao menos lembrei de tirar uma foto da minha sobremesa preferida, a torta mole de chocolate (dos deuses).

img_7925

Quase 20 anos se passaram. Conversas, gargalhadas, comemorações, notícias dadas em primeira mão, aniversários, convites, amizades, comilanças e muitos drinks. Tudo isso foi vivido e compartilhado ali. O Insalata fez parte da minha história e, após todos esses anos, continua sendo o meu restaurante favorito em São Paulo.

Insalata

Alameda Campinas, 1478 – Jardins

http://www.insalata.com.br/

Dica: chegue cedo ou aproveite a (longa) espera para provar as entradinhas, enquanto toma um Aperol Spritz.

Anúncios
Imagem

Stone Town, a capital de Zanzibar

img_2979Tenho que ser honesta com vocês. Não esperem encontrar uma avenida à beira mar, que margeie o Índico e conecte vocês a todos os lados da ilha de Zanzibar. Isso não existe por ali. De onde quer que você saia, o caminho até a capital Stone Town não é nada bonito. Essa é a verdade nua e crua, mas é bom saber, para não criar expectativas.

O traslado do nosso hotel em Nungwi, até o Centro foi bem salgado (USD 100) e ainda perdemos mais de 2h dentro do carro, num sol de rachar, sem ver um pedacinho daquele lindo mar azul. Por isso, nos outros dias, preferimos curtir a piscina e a praia a fazer outros passeios.

Como comentei no post anterior, a cidade vive em extrema miséria e em condições subumanas de higiene e saúde. Por outro lado, Zanzibar tem uma das riquezas mais especiais de todas: sua gente! Um povo que poderia andar de cara feia e reclamar te tudo (com razão), mas que preferiu fazer uma escolha diferente, sendo alegre e sorridente. Praticamente um mantra, o tão falado “hakuna matata”, que em swahili significa “sem problemas”, resume bem o espírito e estilo de vida de todos os seus habitantes.

A população da ilha é basicamente muçulmana. Então, procure respeitar os hábitos e costumes locais. Por mais calor que esteja, nada de andar de shortinhos, minissaias e regatinhas (a não ser que você esteja na praia). Não é porque somos turistas que podemos ignorar suas tradições, certo?

img_2985Contratamos um guia local para nos levar aos principais pontos da Cidade de Pedra. Começamos pela casa onde nasceu e cresceu o cantor Freddie Mercury, passamos por mesquitas, museus, pelo Mercado Municipal e suas especiarias mil. Aliás, não é à toa que Zanzibar é conhecida como Spice Island, os aromas de noz moscada, canela, cardamomo, cravo e frutas perfumam todos os cantos da cidade. Também entramos numa joalheria para conhecer a tanzanite, a famosa pedra de cor violeta descoberta na Tanzania, objeto de desejo de muitas mulheres. No fim do passeio, paramos numa praça em frente ao mar, onde resolvi prestigiar os artistas de rua fazendo uma tatuagem de henna nas mãos, bastante comum na cultura local.

fullsizerenderO mais impressionante de caminhar pelas ruas da cidade é observar as largas portas de madeira talhadas, com estilo meio indiano, meio árabe, reflexo de um passado de diferentes colonizações e influências. Existem centenas de modelos e cores, todas lindas e imponentes. Compramos o pôster ao lado e eternizamos a ilha, não só  na parede de casa, mas também em nossos corações.

Dica de ouro para quem deseja conhecer a ilha de Zanzibar: procure viajar em períodos de temperaturas mais amenas. Nós fomos em setembro, bem distante do Verão e, mesmo assim, chegamos a pegar dias de quase 40 graus. É punk, meus amigos! Esse calor acaba com a gente, viu?

Quer saber mais sobre Zanzibar? Clique aqui ou aqui.

bjs e até a próxima ;o)

Imagem

Terraviña, um hotel especial no Valle Colchagua

O Valle Colchagua fica a aproximadamente 150 km de Santiago e é lá que você encontra alguns dos maiores e melhores produtores de vinhos chilenos.

Quando começamos a planejar nossa viagem, minha ideia era ficar hospedada num hotel dentro de uma vinícola. Acontece que esse pequeno luxo custa muito caro e, para falar a verdade, não sei se compensa.

Mesmo assim, já me imaginava acordando bem cedo num dia ensolarado, colocando um macacão jeans, um chapéu e uma botina para participar da colheita manual nos vinhedos. Depois, ajudando os produtores a separar as uvas e entrando naqueles barris gigantes para pisoteá-las. Coisa de filme, sabe? Eu ia AMAR.

Voltando a realidade, continuei pesquisando opções mais viáveis de hospedagem, até que encontrei o adorável Terraviña, que fica na cidade de Santa Cruz. O hotel me conquistou logo de cara pois, além de ter ótima pontuação no TripAdvisor e no Booking, ele ficava num vinhedo. Era exatamente o que buscávamos e ainda cabia no bolso.

img_7321

O hotel tem uma excelente localização. Fica próximo a bons restaurantes e às mais conceituadas vinícolas da região, como a Viu Manent, Laura Hartwig, La Postolle e a Montes (minha preferida), que em breve ganharão posts exclusivos aqui no blog.

img_7316

Os olhos estavam fechados, mas o sorriso sempre aberto!

Quando chegamos lá, fomos super bem recebidos pelo simpático Nicolas. Pensa numa pessoa que simplesmente ama o que faz, que é apaixonado pelo seu trabalho. Ele conhece muito bem a região, dá ótimas dicas, verdadeiras aulas sobre a história dos vinhos e, de quebra, ainda está estudando português para se comunicar melhor com os hóspedes brasileiros. Sem dúvida, esse é o cara. O diferencial do hotel. Uma pessoa que transborda cordialidade e simpatia, que emana uma energia contagiante. Gratidão por conhecer pessoas assim!

 

Os quartos são amplos, arejados e recebem uma deliciosa iluminação natural. A decoração é rústica, com móveis restaurados e cheios de charme. Você consegue ver o nascer do sol pela janela e o pôr do sol pela varanda. Sensacional!

img_7366Ao fundo uma piscina, local perfeito para se deliciar com uma tábua de queijos e algumas taças de vinho. Ah, para nossa alegria, o hotel dispõe daquelas máquinas de vinho que você pode tomar vários rótulos em taças, sabe? Assim, você pode provar todos os vinhos que quiser, sem ter que comprar a garrafa. Muito top, né?

img_7305O lugar não tem nenhum luxo, mas é muito especial. Traz um ar bem bucólico, onde a natureza se faz presente o tempo todo. No gramado, você se depara com delicados pés de limão siciliano, muitas plantas e flores. Para encher meu coração de alegria e fechar com chave de ouro, o hotel ainda tinha uma gatinha de estimação, chamada Sofia, que era um doce e muito carinhosa.

O conjunto de todas essas pequenas coisas fez com que nossa estadia no Terraviña fosse muito, mas muito especial.

Imagem

De Dijon à Beaune: surpresas gastronômicas

Depois de passar pelo Vale du Loire, fizemos uma parada estratégica em Dijon, comuna francesa na região administrativa de Borgonha. Ficamos hospedados por uma noite no Hotel Des Ducs, que fica bem próximo ao centro histórico da cidade.

A ideia era fazer check in, tomar um banho e cair na cama, pois na manhã seguinte teríamos quase 300 km para percorrer até a cidade de Annecy, no sul da França. Mesmo cansados da viagem, resolvemos dar uma volta, sem mapa, sem indicação, totalmente ao léu. Foi assim, por acaso, que conhecemos o Chez Gina.

img_7226O restaurante tem um jeitão meio retrô oldschool, super bem decorado e aconchegante. Para nosso delírio, o cardápio era 100% italiano. A comida é muito, mas muito gostosa. Pedimos uma burrata de entrada e, de prato principal, massas com molhos tipicamente italianos (alla rabiata e matriciana), acompanhadas de um belo filé à milanesa. BRAVO! Ah, o restaurante também tem um pequeno empório, que vende produtos italianos como massas artesanais, temperos, molhos, antepastos, polentas e outras delícias da terrinha. Adoramos e recomendo MUITO. Só digo uma coisa: foi ótimo ter deixado a preguiça de lado e ter conhecido alguns encantos da cidade.

Na manhã seguinte, pegamos a Route des Grands Crus, visitamos várias vinícolas e, antes de seguirmos para nosso destino final, fizemos mais desvio até a cidade de Beaune. Aliás, que graça de cidade. Demos uma volta e escolhemos o Brasserie Le Carnot para almoçar, francês na veia! Eu pedi um magret de canard com mel e laranja e o Mau foi de steak tartare, ambos acompanhados do vinho da casa. Quase não tomamos vinho nesse dia mesmo, que mal faria mais uma taça?! Estava tudo muito bom, mas acho que saí de lá meio alegrinha…

 

img_7261Se você for fã de mostarda e estiver na região, não deixe de fazer uma visita e reservar um tour na Edmond Fallot Moutarderie, um dos mais tradicionais e familiares produtores desse precioso condimento francês. Nós estávamos de passagem e não conseguimos fazer o tour, mas eles serviram algumas mostardas para degustação.

img_7242Preciso dizer quantos potes de mostarda trouxemos na mala? Meu Deus! Uma mais deliciosa que a outra. Tem mostarda com pimenta, wasabi, manjericão, ervas, açafrão, cassis, mel e muitos outros. Impossível é sair da loja de mãos vazias. Uma ótima opção também para presentear parentes e amigos.

 

Chez Gina

18 Rue Odebert, 21000 Dijon

 

Brasserie Le Carnot

18 Rue Carnot, 21200 Beaune

 

Edmond Fallot

31 rue du Faubourg Bretonnière – 21200, Beaune

http://www.fallot.com/en/

 

Quer saber mais sobre a Route des Grands Crus ? Clique aqui.

Conhece a bela cidade de Annecy? Clique aqui e aqui.